Diretor: 
João Pega
Periodicidade: 
Diária

Legislativas 2022: Costa absoluto, também na Mealhada


tags: Mealhada, Mealhada, Mealhada, Legislativas 2022 Categorias: Mealhada terça, 08 fevereiro 2022

Contra tudo o que diziam as sondagens, o PS ganhou as eleições legislativas do passado domingo, com maioria absoluta. A abstenção diminuiu em todo o país e no distrito de Aveiro o PS foi o mais votado e elegeu 8 dos 16 deputados do círculo, mais um do que nas últimas legislativas. O PSD também aumentou o número de votos em relação a 2019 e elegeu mais um deputado, o sétimo. O 16.º deputado do círculo aveirense foi para o Chega, que elegeu pela primeira vez, deixando sem representação parlamentar o Bloco de Esquerda, que nas últimas legislativas tinha elegido dois deputados, e o CDS-PP que tinha um deputado por Aveiro. Na Mealhada o Partido Socialista foi o mais votado com 4758 votos - com 48% dos votos -, enquanto que o PSD ficou-se pelos 26%. A terceira força mais votada na Mealhada também foi o Chega, que teve 612 votos e multiplicou por seis os votos que tinha tido em 2019. O Iniciativa Liberal também teve na Mealhada um crescimento grande - 400% de crescimento - mas ficou-se pela quinta posição. O quarto partido mais votado no concelho da Mealhada foi o Bloco de Esquerda, mas perdeu mais de metade dos votos que tinha tido nas últimas Legislativas. Com uma perda de pouco mais de 30%, mas segurando o sexto lugar ficou a CDU. O PAN perdeu quase metade dos votos que havia conquistado, mas, mesmo assim, conseguiu mais votos que o CDS-PP, que no concelho da Mealhada teve uma quebra de quase 57% dos votos.

 

PS consegue vitória em todas as mesas de voto do concelho

Em todas as 31 mesas de voto do concelho da Mealhada, foi o Partido Socialista a força mais votada no território. Foi, no entanto, na mesa 8 da União de Freguesias, localizada na Póvoa do Garção, na antiga freguesia de Ventosa do Bairro, que os socialistas obtiveram a vitória menos expressiva. Foi aliás de um voto apenas a diferença entre o PS, que teve 63 votos, e o PSD, que teve 62. Por outro lado, na mesa 2 da freguesia de Barcouço, localizada na sede de freguesia, o PS teve a sua maior vitória, 59% dos votos. Em Mala, na mesa 4 da freguesia de Casal Comba, os socialistas alcançaram 58% dos votos e na mesa 3 da Pampilhosa, o PS teve 55% dos votos.

O pior resultado do PSD no concelho da Mealhada foi na mesa 4 de Barcouço, em Sargento-Mor, onde o partido de Rui Rio teve 18% dos votos. Também na mesa 2 da Pampilhosa o PSD não foi além dos 21%. Os melhores resultados do partido verificaram-se em Ventosa do Bairro - mesa 7 da União, com 35% - na já referida mesa da Póvoa do Garção, com 34,83%, e na mesa 9, localizada na Antes.

O melhor resultado do Chega verificou-se na Póvoa do Garção, com 13% dos votos e na Antes - na mesa 9 - com 11%, enquanto que o pior resultado do partido de André Ventura aconteceu na mesa 1 de Luso, com 2,60% dos votos.

 

Mealhada (continua a ser) o mais socialista do distrito de Aveiro

Foi no concelho da Mealhada que Pedro Nuno Santos (do Partido Socialista) encontrou o maior valor percentual de votos de todo o distrito de Aveiro. 48,31% dos eleitores do concelho da Mealhada preferiram como representantes no Parlamento Nacional os candidatos do Partido Socialista. Já o PSD pode também olhar para o concelho da Mealhada com atenção, uma vez que foi aqui que a lista liderada por António Topa Gomes atingiu o pior resultado de todo o distrito de Aveiro, com um valor percentual de 25,79%. Os social-democratas no contexto dos 19 concelhos do distrito de Aveiro, só foram o partido mais votado em três - Sever do Vouga, Murtosa e Arouca. Em todos os outros foi o PS quem venceu.

No contexto da Comunidade Intermunicipal da Região de Coimbra a situação altera-se um pouco, uma vez que o PS, nos concelhos de Miranda do Corvo, Pampilhosa da Serra e Soure, superou a marca dos 50% e mais quatro alcançaram valores próximos dos 49%. Mas para o PSD, em toda a CIM, só Soure, com 23,89%, teve menos percentagem de votos do que na Mealhada.

O Chega foi a terceira força na Mealhada e no distrito de Aveiro, mas não foi assim em quatro dos concelhos do distrito. Em Espinho e Ovar, o Bloco de Esquerda foi o terceiro (e o Chega ficou em quinto nestes territórios), em São João da Madeira foi o Iniciativa Liberal a alcançar a medalha de bronze, com o Chega também em quinto, e em Vale de Cambra foi o CDS-PP a ficar na terceira posição.

 

Abstenção desceu, mas nem todos ganharam com isso

Em todo o país verificou-se um aumento da afluência às urnas. A abstenção, em crescimento há quase quarenta anos, encontrou em 2022 um sobressalto e regressou a valores de 2011. No caso concreto do concelho da Mealhada votaram mais 628 pessoas nestas eleições do que as que tinham votado nas Legislativas de 2019. Na verdade, este aumento verificou-se mesmo em relação às eleições autárquicas de setembro de 2021, uma vez que votaram agora mais 290 pessoas do que há quatro meses.

Com mais eleitores a votar houve naturalmente partidos que tiveram um aumento significativo de votos... mas nem todos.

O Partido Socialista teve um ganho de 899 votos face a 2019 - mais 23%. O mesmo se passou com o PSD, que teve mais 292 votos do que há 2 anos e meio. Não é possível fazer uma comparação com os resultados autárquicos de 2021, não só pela existência de um movimento independente que ganhou as eleições, como pela circunstância de o PSD se ter apresentado às autárquicas em coligação, mas em qualquer dos casos, ambos os partidos tiveram agora mais votos do que há quatro meses.

Os aumentos de votação no Chega e no Iniciativa Liberal foram muito significativos, como já se referiu acima. O partido de André Ventura passou dos 86 para os 612 votos. Apesar de nas eleições presidenciais de há um ano, o líder do partido ter tido 691 votos, mais 79 votos do que agora. O Iniciativa Liberal em 2019 teve, no concelho da Mealhada, 71 votos, o seu candidato presidencial Tiago Mayan há um ano teve 169 votos, e agora alcandurou-se nos 355 votos.

No rol dos partidos para os quais a diminuição da abstenção não trouxe benefícios, é o Bloco de Esquerda o que mais perdeu e perdeu mais de metade dos votos que tinha tido em 2019. Na verdade, o Bloco tem tido na Mealhada grandes flutuações. Nas eleições autárquicas de 2017 o Bloco teve na Assembleia Municipal da Mealhada 687 votos, nas Legislativas de 2019 passou para os 1118 votos. Nas presidenciais de janeiro de 2021, Marisa Matias caiu para os 390 votos, e nas autárquicas de setembro o partido caiu para os 360 votos. Agora voltou a crescer, para os 533 votos, mas mesmo assim, menos de metade do que tinha tido nas anteriores legislativas.

A CDU perdeu 151 votos face a 2019. Há 2 anos e meio tinha tido 475 votos, nas autárquicas teve 463 votos e agora teve 324 votos, uma quebra percentual de 32%. O CDS-PP, o grande derrotado da noite eleitoral, perdeu 146 votos no concelho da Mealhada. Passou dos 258 votos em 2019 para os 112, uma perda de 57%. O PAN perdeu 123 votos, passou dos 253 para os 130 votos, uma diminuição de 49%.

 

Joana Pereira e Bruno Coimbra foram eleitos

Na composição do novo parlamento mantêm-se os dois mealhadenses e deputados da Nação, para mais um mandato, desta feita em maioria absoluta e, provavelmente, insolúvel nos próximos quatro anos.

Joana Sá Pereira, pampilhosense, que era a sétima candidata na lista do Partido Socialista por Aveiro, foi eleita diretamente. A lista que integrava, encabeçada por Pedro Nuno Santos, elegeu oito mandatos.

O lusense Bruno Coimbra, candidato na lista do Partido Social-Democrata pelo círculo de Braga em sétimo lugar, também foi eleito diretamente, tendo o seu partido colocado 8 deputados neste círculo.

 

 

Deputados Eleitos pelo Círculo Eleitoral de Aveiro

PS

1. Pedro Nuno de Oliveira Santos

2. Cláudia Maria Cruz Santos

3. Carlos Filipe de Andrade Neto Brandão

4. Porfirio Simões de Carvalho e Silva

5. Susana Alexandra Lopes Correia

6. Hugo Daniel Matos Oliveira

7. Joana Isabel Martins Rigueiro de Sá Pereira

8. Bruno Armando Aragão Henriques

 

PSD

1. António Milton Topa Gomes

2. Maria Paula da Graça Cardoso

3. Ricardo Bastos Sousa

4. Helga Alexandra Freire Correia

5. Rui Miguel Rocha da Cruz

6. Carla Manuela de Sousa Madureira

7. Rui Filipe Vilar Gomes

 

CHEGA

1. Jorge Manuel de Valsassina AIveias Rodrigues