Entrar  |   Registe-se  |   Ajuda
18 Novembro 2018
domingo


Apresentação
Estatuto editorial
Ficha técnica
Newsletter
Publicidade
Contactos
Onde Estou? Página Inicial » Frontal.com » Opinião
Pesquisar
DITO E …ESCRITO!
31 Out 2018, 00:00
Galerias Relacionadas:
  0 video(s)
  0 som(s)
  0 documentos(s)
Visualizações: 174
Acessibilidade:

“…Quanto ao Governo de António Costa parece estar para durar. Demérito de uma oposição fragmentada que, desde o início, não captou a essência da geringonça. Uma oposição que desvalorizou a estratégia costista e não se soube assumir como alternativa credível.

Camões, referindo-se a Dom Fernando, afirmou que um fraco rei faz fraca a forte gente. No tempo presente, uma fraca oposição serve para tornar forte um fraco líder. Mesmo que os fogos consumam o país. Para Costa, basta recuperar a frase célebre de Pinheiro de Azevedo: é só fumaça!”

José Pinto – OBSERVADOR

“…O ex-Presidente fala ainda da “atitude impositiva, inflexível e por vezes arrogante da troika” e achava que o ex-ministro das Finanças Vítor Gaspar esquecia os seus deveres de ministro da República: “O seu compromisso era com o país, não para com a troika. O que os portugueses esperavam era que ele enfrentasse a troika e a convencesse a recuar. E não me parecia que fosse impossível convencer os nossos parceiros europeus do absurdo da posição irredutível da troika”.

Foi pena que Cavaco Silva não tivesse dito alto o que pensava na altura, tendo ficado para a História – agora recontada – como um grande apoiante do Governo de Passos Coelho. Aliás, o próprio Passos Coelho esteve quarta-feira na apresentação do livro do Presidente que lhe reconhece a “teimosia” mas também os bons esforços na condução do país. É extraordinário que, ao fim de tantas décadas de “político profissional”, Cavaco Silva ainda consiga surpreender alguém.”

Ana Sá Lopes – PÚBLICO

“…Esperava-se que o MAI tivesse para com aqueles que tutela e defende um bocadinho só da condescendência com que a Esquerda repete argumentos sociológicos desculpabilizantes a favor dos piores bandidos. Mas como o ex-ministro da Defesa Azeredo Lopes fizera com as Forças Armadas a propósito do Colégio Militar, Eduardo Cabrita também não resistiu à tentativa de aproveitamento eleitoral, à custa daqueles que deveria saber representar. Tudo se sacrifica à ambição eleitoral do PS.

Justificam-se repreensões? Porventura. Mas estas, dão-se com recato, preservando as instituições, e já agora, depois de culpas confirmadas em processos que não podem presumir menor inocência para os polícias do que a concedida ao resto dos cidadãos.”

Nuno Melo – JORNAL DE NOTÍCIAS

“…"Fake news", em inglês. "Fake" tanto quer dizer falsas como falsificadas - o que é algo mais correto, mas não chega. Também não há notícias falsificadas. Ou há notícias ou falsificações. Se começássemos por aqui, a falar claro, talvez fosse mais fácil encarar o fenómeno de frente e não de cernelha. E combatê-lo. Ou, pelo menos, evitar a suavização de algo tão perigoso - porque ataca o discernimento para escolher que é a base da democracia.

Mentiras há desde que Eva chamou maçã ao que não o era, mas as chamadas "fake news" começaram na campanha de Barack Obama, quando circularam nas redes sociais rumores de que ele não tinha nascido nos EUA. Essa tramoia foi agarrada e aperfeiçoada por Trump. Depois das eleições, ele virou o bico ao prego e lançou a culpa contra os jornais que o escrutinavam.”

Catarina Carvalho – DIÁRIO DE NOTÍCIAS

Tags: Opinião, Braga da Cruz
Documentos para Download
Notícias Relacionadas
Classifique esta notícia:  Sem classificação
0 Comentário(s)
Videos
Mais comentadas
Mais lidas
Pesquisa de imóveis »
 
Apartamento T2 DUPLEX
Venda - Usado
Coimbra
Figueira da Foz, Tavarede
Consultar Imóvel »
Moradia T2
Venda - Para remodelar
Coimbra
Figueira da Foz, Paião
Consultar Imóvel »
Quartos   
© 2011 Jornal da Mealhada. Todos os direitos reservados. Política de privacidade Desenvolvido por  Marques Associados Digital Lda.